quarta-feira, 27 de abril de 2011

José de Almeida Corte Real

Jovem, rico e frequentador dos salões, era o oficial de mais fino trato do exército farroupilha, do qual era coronel já aos 27 anos. Cunhado de João Manoel de Lima e Silva, que casara com sua irmã, Maria Joaquina, era também amigo de Bento Gonçalves e Netto.
Lutou pela Integridade e Soberania do Brasil na guerra Cisplatina 1825-28 como cadete do antigo e legendário Dragões do Rio Pardo e então 5o Regimento de Cavalaria Ligeira. E, com ele, lutou em Passo do Rosário ao comando do Cel Felipe Neri de Oliveira, em 20 de fever
Na Revolução Farroupilha participou com ardor, valentia, dedicação e solidariedade ao lado de seus amigos Generais João Manuel Lima e Silva (seu cunhado), Bento Gonçalves e Antonio Netto. Por seu singular cavalheirismo impôs-se à estima e consideração gerais, causando grande consternação seu desaparecimento, em ação, próximo ao arroio Velhaco, em Camaquã, em 18 de junho de 1840.

Corte Real foi preso pelo Ten. Manoel Osório

No ataque ao coronel Corte Real comandou a vanguarda o tenente coronel Silva Borges e os seus dois filhos José Luiz Osório e Manoel Luiz Osório, ambos tenentes. O último nesta ação teve o seu cavalo baleado. Segundo contou Fernando Luiz Osório:
"Corte Real, homem elegante e de porte, apresentou-se em combate montado em garboso cavalo, ricamente azaezado e ostentando nos arreios custosos favores de prata. Sendo rodeado por um grupo de legalistas ao mando do tenente Manoel Luiz Osório, dispunha-se a morrer peleando, quando o tenente Osório adiantou-se e bradou-lhe:
- Renda-se, patrício, entregue-me a espada que eu lhe garanto a vida!
Corte Real rendeu-se ao irmão de Osório, que o prendeu e desarmou. Foi neste momento que um soldado legalista aproximou-se sorrateiro do cavalo montado por Corte Real, com o fito de cortar um estribo de prata do valente chefe farrapo. Este ao pressentir a intenção do soldado o chutou no queixo arremessando-o no chão."
Foi enviado preso para a cidade de Rio Grande pelo capital Mazzaredo que comandava, ao iniciar a Revoluçâo o 2o RC de Bagé, quando foi conduzido até a fronteira, são e salvo, pelo tenente Osório que aderira à Revoluçâo no seu início.
Enviado ao Rio de janeiro, lá esteve preso na Fortaleza de Santa Cruz até conseguir evadir-se, em l1 de março de 1837, depois de quase um ano de prisão segundo contou Caldeira que lá estava.
Foi Ministro do Interior da República em Piratini, tendo como 1o escriturário nosso bisavô José lgnácio Moreira Filho que veio a ser o primeiro serventuário de justiça no município de Canguçu, ao ser criado em 1857, quando Presidente da Província Jerônimo Coelho, que era Ministro da Guerra do Império, por ocasião da Paz de Ponche Verde.
Ignácio era irmão de Serafim que exercia as funções de 1o Escriturário do Ministério da Guerra e, ao que consta, sobrinhos de Domingos Moreira, Presidente da Câmara de Vereadores de jaguarão, a primeira a aprovar a República Rio-Grandense, proclamada depois do combate do Seival - 11 de setembro de 1837. Corte Real participou de diversas ações como em Seival. Foi morto numa emboscada imperial no arroio Velhaco atingido por duas balas, no momento em que adentrava o corredor da casa da fazenda de Marcos Alves Pereira Salgado, no local conhecido por Barba Negra, no dia 11 de junho de 1840. Possuía 31 anos.
Acreditando tratar-se da força de Antonio Netto, só identificou, tarde demais, tratar-se de uma força imperial destacada por Chico Pedro e ao comando direto de João Patrlcio de Azambuja.
Sua morte causou consternação geral, até entre imperiais. Seguia ele seu cunhado João Manoel, 3 anos antes tocaiado e assassinado, inerme, com requintes de perversidade, em São Borja.

sexta-feira, 15 de abril de 2011


La Calandria

 El nombre científico de la calandria es "Mimus saturninus" (del latín Mimus, imitador, mimo). Pueden ser sedentarias o migratorias. Pertenecen a la familia de los Aláudidos, del orden Paseriformes.
El nombre Calandria: proveniente del griego 'kálandra'.
 Es un ave que habita en la mayor parte del territorio argentino, salvo la zona cordillerana, y se puede encontrar en patios, parques, quintas y jardines.
También está difundida por varios países de Sudamérica. El hábitat preferido de las calandrias es el terreno abierto, con árboles y arbustos. No penetran en áreas de selva cerrada.
 En América existen diez especies, cinco de ellas pueden escucharse en Argentina.
 Son de tamaño pequeño. Presentan la uña del dedo posterior muy alargada. El plumaje de la Calandria común, es similar en ambos sexos, con tonos pardos, el vientre blanco y una zona negra en el cuello. 
 Pesa 80g. y mide entre 25 y 27 centímetros, posee pico y patas negruzcas.
 La belleza insuperable de estas aves radica en su voz y en sus atributos de "compositora".
 Es un pájaro que tolera la presencia del hombre y habita en las cercanías de los lugares habitados http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/CalandriaGrande1_Otamendi_Abr07.jpgo modificados por éste. 
Cuando comienza la época de reproducción, los machos sin pareja pueden cantar durante la mayor parte del día, a fin de atraer a las hembras.
 Cuando una de ellas se les acerca, es característico que ejecuten un "vuelo o danza nupcial", volando y planeando lentamente, con las alas en posición oblicua y la cola bien abierta, mientras cantan, se elevan y descienden sobre una rama, en la misma actitud.
Realizan sus nidos en arbustos pequeños y aislados, pero muchas veces son perjudicadas por los tordos negros que los parasitan con sus propios huevos.
 El nido tiene forma de taza. Para construirlo, ambos miembros de la pareja emplean ramas de todo tipo, inclusive espinosas, y pasto, que va entrelazando desordenadamente.
 El interior es más prolijo: está recubierto con pajitas, crines y  -si encuentra- lana.
 Pero no siempre este albergue afanosamente construido recibe sólo a los pichones de la calandria. Como ya hemos citado, el tordo negro desova con frecuencia en nidos de calandrias y, para hacer lugar a sus propios huevos -y después a sus pichones-, puede  llegar  a destruir hasta el cincuenta por ciento de la puesta de su involuntario anfitrión. La mayoría de los nidos presentan esta intrusión. Los huevos 'intrusos' pueden distinguirse por su tamaño algo menor y su tono más rosado.
http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/CalandriaMora1_CamaronesK16_Feb06_m.jpg. Alimentan a sus pichones con insectos especialmente escarabajos, grillos y otros la misma familia. No migran  durante el invierno;  permaneciendo en sus territorios de nidificación.
 Sus vuelos son bajos; recorren cortas distancias; en general pasan de un árbol a otro mientras describen suaves curvas. Es común verlas en el suelo; efectuando rápidas carreras con  las alas caídas, la cola alzada y la cabeza elevada, realizando lentos movimientos laterales .
http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/Calandria_Patagonica2_Valdez_Feb2002_m.jpg Son aves cantoras, y de muy melodioso son, el macho es mejor cantor que la hembra.
 Es sobre todo en invierno y en primavera se puede escuchar su hermoso canto. Suelen posarse sobre la cima de un arbusto o de un árbol a emitir sus trinos, los que son de notas muy variadas,
que se repiten dos veces seguidas en el mismo orden.
 Una de las principales características de las calandrias es su facultad para imitar el canto de otras aves (que reproducen introduciendo ligeras variaciones), esta es la causa del nombre científico  Mimus, (imitador, mimo) y de que en algunos países se las denomine popularmente, burladores (en Estados  Unidos 'mockingbirds').  Son capaces de imitar las melodías de otras especies de aves y también de ranas, grillos, ladridos, relinchos, silbidos humanos, el sonido de una flauta, la estridencia de una sirena u otro ruido. Es capaz de tomar fragmentos de varias melodías diferentes y unirlas en una composición.
 Sus hábitos son diurnos. Se alimentan de insectos, tanto en estado adulto como larval. El estudio de los contenidos estomacales de algunos ejemplares demostró la inclusión de escarabajos, avispas, grillos y otros insectos semejantes en su dieta. También consumen lombrices así como los alimentos de origen vegetal, los frutos de plantas, tanto silvestres como cultivadas- moras, higos, etc.-aprovechando con frecuencia los que hallan caídos en el suelo.
 Despliega las alas cuando se dedica a la captura de sus presas. Posee el pico relativamente largo y aguzado, apto para la caza de insectos.
 Es una especie que no tolera vivir en cautiverio, y por ello el cancionero, y el folklore argentino la toma como símbolo de la vida en libertad. 


 

 Los españoles, a su llegada al Río de la Plata, dieron a este pájaro el nombre de "calandria" porque lo encontraron semejante a la calandria española o alondra grande aunque, no es mucha la semejanza entre las dos aves, excepto en su color, más bien apagado.

http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/CalandriaReal1_RECS_Jun06.jpgTradução:
 O nome científico do calandria é "Mimus Saturnino" (em latim Mimus, mímica, imitador). Pode ser sedentárias ou migratórias. Pertence à família de Alauda, na ordem Passeriformes.

Calandria nome: do grego "Kalandra.

  É uma ave que habita a maior parte do território argentino, com excepção da zona montanhosa, e pode ser encontrado em quintais, parques, fazendas e jardins.

Também é transmitida por vários países sul-americanos. O habitat preferido das calandras é a área aberta, com árvores e arbustos. Não é penetrar em áreas de mata fechada.

  Na América, há dez espécies, cinco das quais pode ser ouvido na Argentina.


  São pequenas. Tenha uma unha volta muito longa. A plumagem da Calandria comuns, é semelhante em ambos os sexos, com tons de ventre, castanho e uma área escura no pescoço.

  Ele pesa 80g. e entre 25 e 27 polegadas, tem projeto enegrecida e as pernas.
 
A deslumbrante beleza destas aves é a sua voz e atributos de "compositor".É um pássaro que tolera a presença do homem e vive nas proximidades de locais habitados ou modificado por ela.
http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/CalandriaGrandeAlbin2_Otamendi_Abr07.jpgQuando você inicia o período de acasalamento, os machos sem um parceiro pode cantar para a maior parte do dia, a fim de atrair as fêmeas.

 
Quando alguém se aproxima deles, é característico de execução de um vôo "ou dança do casamento, lento vôo e vôo livre, com asas e cauda de inclinação bem abertos, como eles cantam, sobem e descem em um ramo em mesma atitude.
Fazem seus ninhos em arbustos pequenos e isolados, mas muitas vezes são danificados por parasitando preto com seus próprios ovos.

 
O ninho é em forma de taça. Para construí-la, ambos os parceiros utilizados ramos de todos os tipos, incluindo os espinhos e grama, que é loucamente tecelagem.

 
O interior é mais detalhado: é coberto com palha de crinas, e lã-se encontrado.

 
Mas nem sempre meticulosamente construída este abrigo recebe apenas os jovens do calendário. Como já mencionado, a candidíase, muitas vezes preto desovam em ninhos de papa-figos e, para abrir espaço para seus próprios ovos e, em seguida seus jovens, "pode ​​destruir até cinqüenta por cento do início do seu hospedeiro relutante. A maioria dos ninhos têm essa intrusão. Os ovos podem ser distinguidos pelo seu tom um pouco menor e mais rosa.
. Eles se alimentam seus filhotes com insetos, especialmente besouros, grilos e mesma família. Não migram durante o inverno, permanecendo em seus territórios de nidificação.

 
Estes vôos são baixos, a pé distâncias curtas, em geral, a partir de uma árvore para outra, como eles descrevem curvas suaves. É comum vê-los no chão, para corridas rápidas com asas caídas, cauda e cabeça erguida, fazendo o movimento lateral lento.

 
São pássaros, e são muito melodiosa, o cantor é melhor do que a fêmea.
 
É especialmente no inverno e na primavera você pode ouvir seu belo canto. Normalmente poleiro em cima de um arbusto ou árvore para transmitir suas músicas, que são muito variadas notas, repetido duas vezes na mesma ordem.

http://www.fotosaves.com.ar/Passeriformes/Mimidae/CalandriaPat1_LaHerraduraPlottier_25Mar09.jpgUma das principais características do calandria é sua capacidade de imitar os cantos de outras aves (que se reproduzem através da introdução de ligeiras variações), esta é a causa do nome científico Mimus (imitador, mímica) e que em alguns países, nomes populares , zombadores (nos Estados Unidos mockingbirds '). São capazes de imitar as melodias de outros pássaros e sapos, grilos, latidos, relinchos, assobios humanos, o som de uma flauta, o estridente de uma sirene ou outros ruídos. É capaz de levar pedaços de várias músicas diferentes e colocá-los juntos em uma composição.

  Seus hábitos são diurnos. Eles se alimentam de insetos, adultos e estado larval. O estudo do conteúdo estomacal de algumas amostras mostrou a inclusão de besouros, vespas, grilos e outros insetos semelhantes em sua dieta. Eles também comem minhocas e os alimentos vegetais, frutas de plantas, tanto cultivadas e silvestres, bagas, figos, etc, muitas vezes aproveitando aqueles que estão no chão.

  Abre suas asas quando ela se dedica à captura de presas. Pico tem relativamente longos e afiados,
apropriados para a caça de insetos.

  Esta espécie não tolera que vivem em cativeiro e, portanto, as canções e fazendo folclore argentino como um símbolo da vida em liberdade.

  Os espanhóis, em sua chegada ao Rio de la Plata, este pássaro deu o nome de "cotovia", porque achei semelhante ao da cotovia calandra espanhol ou grande, embora não, muita similaridade entre as duas aves, excepto na cor, mais abastados.
 


quarta-feira, 13 de abril de 2011

CONJUNTO FARROUPILHA

Um século depois de findada a guerra dos farrapos, o sul é novamente palco de um acontecimento de proporções intercontinentais.Conjunto vocal criado na Rádio Farroupilha, em Porto Alegre, no fim da década de 40, no início restringiam-se ao repertório típico gaúcho com sucessos como "Negrinho do Pastoreio", "Boi Barroso" e "Pezinho". Nesse estilo gravaram vários discos, como "Gaúcho", "Gaúchos em Hi-fi" e "Gaúchos na Cidade". Na década de 60 fizeram trabalhos ligados à bossa nova, mudando um pouco o estilo. Entre seus maiores sucessos destacam-se "Bolinha de Sabão" (Orlandivo/ A. de Azevedo), "Moça da Chuva" (P. Nogueira/ R. Moreira), "Azul Contente" (W. Santos/ T. Souza) e "Papai Walt Disney". Sidney Moraes, um dos integrantes, lançou-se mais tarde em carreira solo como cantor de boleros, com o nome de Santos Morales. Em meados da década de 80, pouco antes da extinção do grupo, foi substituído por Sabá, ex-baixista dos grupos Jongo Trio e Som Três. Em 1997 o fundador Tasso Bangel criou outro grupo, o Sexteto Brasil de Cordas. Outros integrantes foram Danilo Vidal de Castro, Iná Bangel e Estrela D'Alva Lopes de Castro.










Após o disco de estreia pelo selo Rádio, o Farroupilha lançava outros dois LPs seguindo a mesma linha regional: “De Norte a Sul” (Odeon) e “Gaúchos em Hi-Fi” (Columbia). “Gaúchos na Cidade” (Columbia), de 1958, seria o turning point do conjunto. Muito antes de se falar em globalização, os Farroupilhas agora cantavam também em Italiano, Francês, Inglês e Alemão: “Basta um Pouco de Música” (Marino Marini / Diego Calcagno), “Chanson D’amour” (Wayne Shanklin), “Mister Lee” (Dixon / Sathers / E. Pought / J. Pought / Webb), “Liechtensteiner Polka” (Kotscher / Lindt). Mantinham sua tradição em canções como "Entrevero no Jacá" (Barbosa Lessa / Danilo Vidal) e gravavam ainda “Por Causa de Você (Jobim / Dolores Duran), iniciando flerte com o universo Bossa Nova. Durante aqueles anos dourados, associados ao Ministério das Relações Exteriores, viajavam com o patrocínio da Varig, empresa fundada em Porto Alegre em 1927,  e representavam o Brasil em eventos internacionais, sempre entoando uma canção típica do país visitado, levando seu repertório a crescer e se diversificar, tornando o grupo um dos mais versáteis de que se tem notícia.

O conjunto lança em 1960 “Os Farroupilhas em Hi-Fi”, louvando suas origens no lado A com canções típicas como “Meu Rio Grande”  (Altivo Penteado Garoto) e saudando a pluralidade da música popular brasileira no lado B em clássicos como “Nunca”, samba-canção de Lupicínio Rodrigues, “Sábado em Copacabana” (Dorival Caymmi / Carlos Guinle) e “A Felicidade” (Jobim / Vinícius de Moraes), reafirmando a identificação com a estética que despontava àquela época.


A diversidade do conjunto segue em “Os Farroupilhas na TV” (Columbia), 1960, que marca a atração televisiva que tiveram na TV Record. Encerrando sua fase na Columbia, lançam “Aí Vem a Marinha”, 1961, junto da Banda da Marinha Brasileira que, em arranjos de Lyrio Panicali, exaltava a instituição à luz dos ideais desbravadores e progressistas de Juscelino Kubitscheck.

Em associação com a gravadora Fermata, o conjunto cria sua própria etiqueta, a Farroupilha Discos, partindo para uma empreitada tanto mais autossuficiente. O selo é responsável por lançamentos de nomes como Jongo Trio, Os Tatuís, Pedrinho Mattar, Os Poligonais além de discos do próprio Conjunto Farroupilha, como o clássico “Os Farroupilhas”, 1963, LP hoje disputado em lojas especializadas. Sua capa traz os integrantes em uniformes de comissários de bordo, não por acaso com as cores da conterrânea Varig – Viação Aérea Rio-Grandense, como pouco se sabe. Cabe citar que o povo gaúcho é um dos mais fiéis as suas origens como a sua cultura, como atesta matéria de Igor Paulin para a revista Veja, de abril de 2009, intitulada “Marketing da Bombacha”:

O orgulho que os gaúchos têm de sua terra e de suas tradições vai muito além do aspecto folclórico, como logo descobrem as empresas estrangeiras e de outros estados que tentam conquistar o mercado do Rio Grande do Sul: eles de fato dão preferência a produtos autóctones. Essa espécie de protecionismo comercial por razões culturais é uma peculiaridade gaúcha.


Em seu LP de 1963, o conjunto se debruçava sobre o balanço neo-bossa-novista , como se percebe em “Por Causa de Você, Menina” (Jorge Ben), “Bolinha de Sabão (Orlandivo / Adilson Azevedo) e “João Sebastião Bach” (Dick Farney / Nestor Campos). “O que Cantamos na TV”, LP de 1964,  propunha um passeio turístico pelo mundo: “Meu Querido Portugal” (Danilo Castro / Sidney Morais), “Balanço Zona Sul” (Tito Madi), “Souvenir de Paris” ( J. Borel / J. Moreau / M. Rossi), entre outras.

Ainda na década de 60, finda-se o selo Farroupilha. Após um hiato fonográfico de quatro anos, o quinteto grava para a Continental, em 1968, “Temas Gaúchos”, reafirmando sua volta às origens em clássicos de seu repertório sulista, alguns outrora registrados pelo próprio conjunto. Adormecem os Farroupilhas por quinze anos. A convite de Rolando Boldrin o grupo torna a se reunir e, após longos meses de ensaio, apresenta-se no programa “Som Brasil”, da TV Globo. Em 1983, reavivado, grava o LP “Farroupilha 35”, produzido por Boldrin para o selo Som Brasil, vinculado ao programa e ligado à RGE, dedicado totalmente à música regional.
Com sua harmonia vocal característica e íntegra, apesar do tempo passado, o Conjunto Farroupilha faz sua derradeira gravação, integrando a trilha da minissérie “O Tempo e o Vento”, da TV Globo, ambientada no sul do Brasil: “Meu Boi Barroso”, canção tradicional adaptada por Tasso Bangel, o líder do conjunto. Este, formado em regência, é compositor de obras clássicas de caráter nacionalista e especialmente sulista como a ópera “Romance Gaúcho”. Hoje, com 79 anos, mantém-se ativo como produtor musical. Recentemente fez aparições no programa “Sr. Brasil” da TV Cultura.


A discografia do Conjunto Farroupilha está fora de catálogo, mas muitos de seus títulos podem ser encontrados para download no precioso blog Loronix. Note-se que para quaisquer estilos ou vertentes musicais a colocação das vozes dos integrantes do Farroupilha  sob a batuta de Bangel  sempre se manteve peculiar, com a impostação característica dos cantores de rádio, o autêntico acento sulista que jamais se desejou esconder, e ainda o humor, características responsáveis por cunhar a marca de um grupo que se tornou referência em harmonia vocal, ecletismo, ousadia e autenticidade.


Olá a todos! Finalmente, cá estou regressando de minha viagem ao Rio de Janeiro e colocando a vida em ordem. Para me redimir com os nossos leitores, farei hoje um post diferente sob vários aspectos. Pela primeira vez, focalizaremos um conjunto, vocal neste caso; que se desenvolveu fora do eixo Rio-São Paulo, cantando dois gêneros jovens e dançantes. Vamos lá!
Nos anos 40 e 50, a Rádio Farroupilha era a maior do estado do Rio Grande do Sul, pertencendo a um grande conglomerado e com grandes anunciantes, como a Pepsi Cola. Esta emissora inspirava-se nas grandes rádios cariocas, com um vasto elenco fixo e contratado, trabalhando em grandes musicais. Para se ter uma idéia, eram de uma audácia que lhes permitiam recriar com seus próprios artistas alguns dos mais luxuosos programas de estúdio da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, como "A Canção da Lembrança" e "Um Milhão de Melodias". Eis que em 1948, surge um conjunto sem nome definido que entoava canções típicas ao seu microfone. Por conta do sucesso, Danilo, Tasso, Iná, Estrela d'Alva e Alpheu (mais tarde substiduído por Sidney Moraes, primeiramente apenas nas viagens pra fora do Sul, depois, permanentemente) foram batizados com o nome da rádio que os contratou. Sob a batuta de Tasso, as tradicionais canções gaúchas ganhavam nova roupagem, com arranjos vocais de impressionante beleza. Ele, muito jovem ainda, por sua competência como arranjador, passou também a maestro da rádio, regendo a orquestra da Rádio Farroupilha ao lado do veterano Maestro Salvador Campanela. Os chamados para apresentações e gravações vinham de toda parte e as fronteiras de seus estado já não comportavam a revolução que estavam fazendo na seara dos conjuntos vocais.

Difícil é desfilar de maneira sucinta todos os louros que o conjunto colheu pelos anos. Ganharam todos os troféus possíveis, tanto de rádio como de TV, tiveram programas exclusivos Viajaram o mundo todos (fizeram parte, inclusive, da lendária excursão que foi à União Soviética em 1958, ao lado de Dolores Duran, Jorge Goulart, Nora Ney e Maria Helena Raposo). Cantaram todos os gêneros e ritmos, mas nunca abandonaram as músicas da terra natal. Não tinha língua, dissonância ou canção em tom menor que desafiasse nosso grupo. Nosso amigo blogger pode ter a plena certeza que não existiu NADA melhor em matéria de conjunto vocal no Brasil!

As duas gravações que levamos até vocês datam de 1956 e foram realizadas em Porto Rico, conforme consta no selo. A primeira é um calypso-fox, quase um rock, uma delícia, onde fica bem evidente a beleza da voz da solista Iná. Gostaria aqui de fazer um pequena observação sobre o calypso. O tal calypso já foi apanhado na cama de diversos outros ritmo, causando casamentos interessantes, como calypso-rock, calypso-rumba, calypso-mambo, e calypso-chá (!!!). Geralmente, cotumava designar um rock mais lento ou menos agitado que o rock'n roll. A segunda gravação, é um belo chá-chá-chá, como o próprio título da música não deixa negar. Provavelmente, o acompanhamento foi feito por músicos do próprio país, o que confere aquele balanço que só quem é originário do país sabe fazer. Bem, vamos deixar de conversa e deixar vocês com os vocais e efeitos maravilhosos do Conjunto Farroupilha! Só uma coisa: é só ouvir e tirar seu parceiro pra dançar, porque ambas as músicas são uma delícia, com grande potencial viciante!
P.S.: As fotos que postamos não tem muita ligação com as músicas apresentadas neste disco, certo? Portanto, disponibilizamos uma faixa, de 1960 dessa vez, onde eles interpretam a música "Tatu", uma dança típica gaúcha.


.


Discografia

  • Piazito carreteiro/A chimarrita (1956) Odeon 78
  • Meu benzinho/Conceição (1957) Odeon 78
  • Sonho azul/Gauchinha bem querer (1957) Odeon 78
  • Aconteceu/Muy cerca de ti [S/D] Colúmbia 78
  • Mr. Lee/Clases de chá-chá-chá [S/D] Colúmbia 78
  • Liechtensteiner polka/Ratoeira [S/D] Colúmbia 78
  • Por causa de você/Basta un poco di musica [S/D] Colúmbia 78
  • Tem que ser/Chanson d'amour [S/D] Colúmbia 78
  • Entrevero no jacá/Ein glaeschen wein und du [S/D] Colúmbia 78
  • Eine kleine cha cha cha/Noites de Moscou [S/D] Colúmbia 78

Discos de Carreira

CONJUNTO FARROUPILHA 35

Som Brasil/RGE - 1983

GAÚCHO

Discos Rádio - 1953
  
GAUCHO EM HI-FI

 Columbia - 1957
 

[Conjunto+Farroupilha+-+Gauchos+em+HI-FI+(1957)-image006.jpg]

 
 





 

 

 







 ------------------------------------****-----------------------*******--------




O Conjunto Farroupilha no filme "As Aventuras de Pedro Malasartes", produção dirigida e estrelada por Mazzaropi em 1960.